quarta-feira, 29 de outubro de 2008

OS TRES VENTOS DA MONTANHA

Os três ventos da montanha
Há muito tempo atrás,vivia numa montanha muito alta,três ventos. O primeiro chamava-se Vento_grande-e-furioso. Ele soprava fazendo assim:Uoooooooooo-oooo-oooooooooooo. E quanto mais intenso se movia,mais forte era o seu sopro:Uooooo-oooooooo-ooooooooo oooooooo-eeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee.
Ele era um vento muito importante.
O segundo era o Vento-forte-e-constante. O seu sopro era assim:Hooooooooooooo muito baixinho. Era um vento muito importante também.
O terceiro vento se chamava ventinho-de-dia-quente. Seu sopro era muito fraquinho. Era agradável vê-lo bater contra a folhagem:Huuuuuuu. Um dia,os três ventos se encontraram,e começaram a conversar no alto da montanha. O vento-grande-e-furioso disse assim:Uhuuuuuu,sou muito importante. Sou forte,carrego tudo que encontro pela frente . As pessoas têm medo de mim,e correm quando eu me aproximo.
_Você tem razão,respondeu o Vento-forte e-constante,mas eu acho que esta não é uma maneira bonita de ser importante. Você é importante para as pessoas porque elas o temem,mas eu sou importante porque sou útil.
E o Vento-forte-e-constante tomou fôlego e soprou:Hoooooooooo. As nuvens viajaram depressa pelo céu. As crianças correram para dentro de casa e colocaram seus agasalhos. As roupas molhadas secaram bem depressa. E os barcos no mar andaram mais depressa,cortando as ondas.
_Está vendo como sou útil? Disse o Vento-forte-e-constante. E as pessoas não têm medo de mim.
_E daí?gritou o Vento-grande-e-furioso. A verdade é que eu sei soprar mais forte . E o Vento-grande-e-furioso ficou ainda mais bravo.
O ventinho-de-dia-quente estava se sentindo pequenininho,pequenininho diante do Vento-grande-e-furioso tão forte,forte. E foi saindo devagar,como quem não quer nada. Mas muito preocupado.
_Eu não sirvo para nada!pensava ele. Vento-grande-e-furioso amendrota as pessoas,mas ele sabe fazer alguma coisa pelo menos. Vento-forte-e-constante é útil,e as pessoas gostam dele,mas eu,eu não consigo fazer nada!
Então o Ventinho saiu palas montanhas. O sol estava muito quente,e continuou assim. O céu estava muito azul,e continuou cada vez mais azul.
Mas à medida que o ventinho passava,as pessoas abriam suas janelas,e voltavam seus rostos quentes na direção em que ele soprava.
Saiam de suas casas e sorriam,que alegria!O ventinho encontrou uma menininha com um papagaio. Soprou o mais que podia. O papagaio se ergueu,e a menina ficou radiante. A seguir,viu um menininho junto a uma poça de água. Na poça estavam dois barquinhos com velas de papel,mas não saiam do lugar. O Ventinho soprou e devagarzinho os barquinhos atravessaram a poça. O menino sorriu,vendo os barcos se movendo.
Depois,viu um passarinho a beira do seu ninho.
__Voe,soprou o Ventinho.
__Tenho medo respondeu o passarinho.
Então o Ventinho soprou com toda a sua força,e obrigou o passarinho a cair do ninho,e então o passarinho feliz,viu que podia voar.
Já era bem tarde quando o Ventinho voltou para a sua casa,no alto da montanha. Seus amigos o esperavam preocupados.
__E então,Ventinho,por onde andou?O que você estava fazendo todo esse tempo?
__Quase nada,disse o Ventinho. E contou o que fizera.
Vento-grande-e-furioso já não parecia tão furioso assim. Vento-forte-e-constante Estava pensativo. E falaram ao Ventinho:
__sabe,Ventinho-de-dia-quente,todos nós fazemos coisas importantes,mas o que você faz é mais importante:Você leva alegria ás pessoas. Vento-grande-e-furioso é respeitado porque as pessoas o temem,eu sou apreciado porque lhes sou útil;mas a você elas amam,porque você,com o seu sopro leve,as alegra e acaricia,e ajuda.
Então o Ventinho desceu a montanha alegremente. Lá embaixo as pessoas grandes e as crianças calorentas ao sentirem a volta do ventinho ficaram radiantes de novo;a menininha viu seu papagaio subir. Pelo jardim voou o passarinho flutuando nas asas do Ventinho como um barco flutua no mar. E todos se alegraram.


Observação:Dramatizar a história,enfatizando o fato de que cada um é importante e dentro de suas possibilidades precisar se dispor a ajudar o outro. Possibilitar que a criança se identifique com o “Ventinho” da história,que traz alegria e leveza ao nosso mundo.

Esta historia foi passada por uma irmã em cristo da igreja Metodista.
Antes de eu contá-la,contei primeiro a história de Sansão e como ele se achava grande.
Mas é só uma idéia.
A paz.

SE GOSTOU, PEÇA AS GRAVURAS
rachel.pimentel@hotmail.com

2 comentários:

danilly disse...

[b][i]este criaçao foi muito boa meraçe nota 1000 pela graça de deus sou abençoada e sou evangelica
xauuuuuuuu e que deus continui abençoando todos vc.

coisa de criança disse...

aproveite dani