quinta-feira, 18 de outubro de 2007

festa junina

As Maldições das Festas Juninas
Pr. João Flávio & Presb. Paulo Cristiano
Introdução




Depois do Carnaval, o evento mais esperado do calendário brasileiro são as festas juninas, que animam todo o mês de junho com muita música caipira, quadrilhas, comidas e bebidas típicas em homenagem a três santos católicos: Santo Antônio, São João e São Pedro.
Naturalmente as festas juninas fazem parte das manifestações populares mais praticadas no Brasil.
Seria as festas juninas folclore ou religião? Até onde podemos distinguir entre ambos? Neste estudo não pretendemos atacar a religião católica, já que todos podem professar a religião que bem desejarem, o que também é um direito constitucional. mas tão somente confrontar tais práticas com o que diz a Bíblia.
Herança Portuguesa
A palavra folclore é formada dos termos ingleses folk (gente) e lore (sabedoria popular ou tradição) e significa “o conjunto das tradições, conhecimentos ou crenças populares expressas em provérbios, contos ou canções; ou estudo e conhecimento das tradições de um povo, expressas em suas lendas, crenças, canções e costumes”.
Como é do conhecimento geral, fomos descobertos pelos portugueses, povo de crença reconhecidamente católica. Suas tradições religiosas foram por nós herdadas e facilmente se incorporaram em nossas terras, conservando seu aspecto folclórico. Sob essa base é que instituições educacionais promovem, em nome do ensino, as festividades juninas, expressão que carrega consigo muito mais do que uma simples relação entre a festa e o mês de sua realização.
Entretanto, convém salientar a coerente distancia existente as finalidades educacionais e as religiosas.
É bom lembrar também que nessa época as escolas, "em nome da cultura", incentivam tais festas por meio de trabalhos escolares, etc. A criança que não tem como se defender aceita, pois se sente na obrigação de respeitar a professora que lhe impõe estes trabalhos (sobre festa Junina), e em alguns casos é até mesmo ameaçada com notas baixas, por que a professora, na maioria das vezes, é devota de algum santo, simpatizante ou praticante da religião Católica, que é a maior divulgadora desta festa. Neste momento quando se mistura folclore e religião, a criança -inocente por natureza - rapidamente se envolve com as músicas, brincadeiras, comidas e doces. Aliás, não existiria esta festa não fosse a religião. Inclusive existe a competição entre clubes, famílias ou grupos para realizarem a maior ou a melhor festa junina da rua, do bairro, da fazenda, sítio, etc.
Além disso, não podemos nos esquecer de que o teor de tais festas oscila de região para região do país, especialmente no norte e no nordeste, onde o misticismo católico é mais acentuado.
As mais tradicionais festas juninas do Brasil acontecem em Campina Grande (Paraíba) e Caruaru (Pernambuco).
O espaço onde se reúnem todos os festejos do período são chamado de arraial. Geralmente é decorado com bandeirinhas de papel colorido, balões e palha de coqueiro. Nos arraias acontecem as quadrilhas, os forrós, leilões, bingos e os casamentos caipiras.
Uma Suposta Origem das Festividades
Para as crianças católicas, a explicação para tais festividades é tirada da Bíblia com acréscimos mitológicos. Os católicos descrevem o seguinte:
“Nossa Senhora e Santa Isabel eram muito amigas. Por esse motivo, costumavam visitar-se com freqüência, afinal de contas amigos de verdade costumam conversar bastante. Um dia, Santa Isabel foi à casa de Nossa Senhora para contar uma novidade: estava esperando um bebê ao qual daria o nome de João Batista. Ela estava muito feliz por isso! Mas naquele tempo, sem muitas opções de comunicação, Nossa Senhora queria saber de que forma seria informada sobre o nascimento do pequeno João Batista. Não havia correio, telefone, muito menos Internet. Assim, Santa Isabel combinou que acenderia uma fogueira bem grande que pudesse ser vista à distância. Combinou com Nossa Senhora que mandaria erguer um grande mastro com uma boneca sobre ele. O tempo passou e, do jeitinho que combinaram, Santa Isabel fez. Lá de longe Nossa Senhora avistou o sinal de fumaça, logo depois viu a fogueira. Ela sorriu e compreendeu a mensagem. Foi visitar a amiga e a encontrou com um belo bebê nos braços, era dia 24 de junho. Começou, então, a ser festejado São João com mastro, fogueira e outras coisas bonitas, como foguetes, danças e muito mais!”.
Como podemos ver, a forma como é descrita a origem das festas juninas é extremamente pueril, justamente para que alcance as crianças.
As comemorações do dia de São João Batista, realizadas em 24 de junho, deram origem ao ciclo festivo conhecido como festas juninas. Cada dia do ano é dedicado a um dos santos canonizados pela Igreja Católica. Como o número de santos é maior do que o número de dias do ano, criou-se então o dia de “Todos os Santos”, comemorado em 1 de novembro. Mas alguns santos são mais reverenciados do que outros. Assim, no mês de junho são celebrados, ao lado de São João Batista, dois outros santos: Santo Antônio, cujas festividades acontecem no dia 13, e São Pedro, no dia 28.
Plágio do Paganismo
Na Europa antiga, bem antes do descobrimento do Brasil, já aconteciam festas populares durante o solstício de verão (ápice da estação), as quais marcavam o início da colheita. Dos dias 21 a 24, diversos povos , como celtas, bascos, egípcios e sumérios, faziam rituais de invocação da fertilidade para estimular o crescimento da vegetação, prover a fartura nas colheitas e trazer chuvas. Nelas, ofereciam-se comidas, bebidas e animais aos vários deuses em que o povo acreditava. As pessoas dançavam e faziam fogueiras para espantar os maus espíritos. Por exemplo: as cerimônias realizadas em Cumberland, na Escócia e na Irlanda, na véspera de São João, consistiam em oferecer bolos ao sol, e algumas vezes em passar crianças pela fumaça de fogueiras.
As origens dessa comemoração também remontam à Antigüidade, quando se prestava culto à deusa Juno da mitologia romana. Os festejos em homenagem a essa deusa eram denominados “junônias”. Daí temos uma das procedências do atual nome “festas juninas”.
Tais celebrações coincidiam com as festas em que a Igreja Católica comemorava a data do nascimento de São João, um anunciado da vinda de Cristo. O catolicismo não conseguiu impedir sua realização. Por isso, as comemorações não foram extintas e, sim, adaptadas para o calendário cristão. Como o catolicismo ganhava cada vez mais adeptos, nesses festejos acabou se homenageando também São João. É por isso que no inicio as festas eram chamadas de Joaninas e os primeiros países a comemorá-las foram França, Itália, Espanha e Portugal.
Os jesuítas portugueses trouxeram os festejos joaninos para o Brasil. As festas de Santo Antonio e de São Pedro só começaram a ser comemoradas mais tarde, mas como também aconteciam em junho passaram a ser chamadas de festas juninas. O curioso é que antes da chegada dos colonizadores, os índios realizavam festejos relacionados à agricultura no mesmo período. Os rituais tinham canto, dança e comida. Deve-se lembrar que a religião dos índios era o animismo politeísta (adoravam vários elementos da natureza como deuses).
As primeiras referências às festas de São João no Brasil datam de 1603 e foram registradas pelo frade Vicente do Salvador, que se referiu aos nativos que aqui estavam da seguinte forma: “os índios acudiam a todos os festejos dos portugueses com muita vontade, porque são muito amigos de novidade, como no dia de São João Batista, por causa das fogueiras e capelas”.
Sincretismo Religioso
Religiões de várias regiões do Brasil, principalmente na Bahia, aproveitam-se desse período de festas juninas para manifestar sua fé junto com as comemorações católica. O Candomblé, por exemplo, ao homenagear os orixás de sua linha, mistura suas práticas com o ritual católico. Assim, durante o mês de junho, as festas romanas ganham um cunho profano com muito samba de roda e barracas padronizadas que servem bebidas e comidas variadas. Paralelamente as bandas de axé musica se espalham pelas ruas das cidades baianas durante os festejos juninos.
Um fator fundamental na formação do sincretismo é que, de acordo com as tradições africanas, divindades conhecidas como orixás governavam determinadas partes do mundo. No catolicismo popular, os santos também tinham esse poder. “Iansã protege contra raios e relâmpagos e Santa Bárbara protege contra raios e tempestades”. Como as duas trabalham com raios, houve o cruzamento. Cultuados nas duas mais populares religiões afro-brasileiros – a umbanda e o candomblé – cada orixá corresponde a um santo católico. Ocorrem variações regionais. Um exemplo é Oxossi, que é sincretizado na Bahia com São Jorge mas no Rio de Janeiro representa São Sebastião. Lá, devido ao candomblé, o Santo Antônio das festas juninas é confundido com Ogum, santo guerreiro da cultura afro-brasileira.



material fornecido por ADI MACEDO( MINHA AMIGA VIRTUAL)

22 comentários:

Márcia Roberta Cruz Antunes disse...

A maldição das Festas Juninas!!!!isso é um absurdo,o q é comemorado e festejado nessas festas é a cultura e o folclore nada além disso,nada de maldições ou adorações ao diabo,sou pedagoga e conheço muitas crianças evangélicas na minha escola,que aceitaram dançar no dia festa ,pois perceberam q issso jamais traria o mal para elas ,mas sim apenas um momento de descontração e socialização na escola e com os colegas.

Simone disse...

Concordo plenamente, Profa. Márcia!
O que acontece é que eles põem as coisas da maneira que lhes convém, ou seja, as professoras não impõem aos alunos, mas os convidam porque há uma razão plausível, que é em nome da educação, para que tal prática aconteça. Há um objetivo pedagógico!

Simone disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
cleones disse...

Bem eu acredito tb que o folclore faz parte da cultura do povo, dai seu nome originado de. Mas, se anaisados de acordo com a palavra revelada, que a ciencia nao explica jamais, de fato, existe algo que nao é para a adoraçao ao nome do Senhor, Mas infelizmente ou felizmente, a ciencia jmais explicara o que Deus tem revelado ao seu povo. Nem todos tem um exclarecimento sobre o prejuizo de participar desses ''INOCENTES'' eventos a escola.

Anônimo disse...

Nós não podemos deixar nos influênciar por coisas mundanas e sabemos que festa junina é comemoração idolatra e não podemos deixar nossas crianças participarem dessas comemorações, pois são ofertas de manjares e todos que conhecemos a bíblia devemos ser prudentes um abraço a criadora deste site Deus abençoe grandemente

Anônimo disse...

Michele Nós não podemos deixar nos influênciar por coisas mundanas e sabemos que festa junina é comemoração idolatra e não podemos deixar nossas crianças participarem dessas comemorações, pois são ofertas de manjares e todos que conhecemos a bíblia devemos ser prudentes um abraço a criadora deste site Deus abençoe grandemente

Anônimo disse...

Antigamente nao era usado o nome festa junina e sim festa da roca, caipira ou algo do genero. O pessoal se reunia para festejar colheita, enfim, para estarem juntos e festejarem, uniao. Com o passar do tempo a igreja catolica incluiu os santos, Joao, Antonio. Cada igreja adaptou ao seu modo,cada uma idolatrando seu idolo. Isso nao quer dizer que os evangelicos nao possam festejar tambem! Qual o problema de preparem uma festa do campo para estarem em uniao com os irmaos, todos a carater, nosso povo do campo sao simples e felizes, mesmo com suas roupas caipiras. Sao simples e acolhedores. Nao vejo mal algum fazer uma festa, com comida tipica e com musicas com letras evangelicas, que possamos cantar e festar em grupo. Melhor estar em comunhao com os irmaos, cantando e dancando com brincadeiras sadias do que estar em ambientes pesados, cigarros, bebidas, musicas que se prestarmos atencao nao letra da vontade de chorar de tanta sujeira.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
JACJAC disse...

Queridas, Deus nos deu sabedoria. Usemos desta habilidade para ganharmos pessoas para Cristo!
Sugiro que vocês façam um: SEM JOÃO, COM JESUS. Podem utilizar das comidas típicas, músicas de forró Gospel, quem sabe até as roupas de caipira e fazer tudo voltado para salvação de almas, mas esta deve ser com muita alegria, afinal de contas, somos filhos de um Pai maravilhoso e isso já é o suficiente para sermos alegres e mostrarmos a felicidade de assim sermos.
Falem de Cristo, sem precisar espantar as pessoas que estarão na festa e fale, de modo muito criativo; mostrem para eles que nós também nos divertimos.
Não percam essa oportunidade!
Em Cristo,

*letiiciia raquelll* disse...

olá pessoal sou a letícia estou cursando o 1° periodo de pedagogia e participo de uma companhia de teatro e dança chamada resgate, gostaria de saber se é correto fazermos um projeto de cantigas de rodas pra levar o evangenho de cristo. VOU EXPLICAR: minha companhia chamada resgate lançou um projeto chamado Projeto Ciranda e esse preojeto tem como objetivo levar a palavra de Deus e tambem resgatar as cantigas de rodas dos nossos antepassados. alguém poderia me responder por gentileza! poderia mandar a resposta para o meu email. lekapitty@gmail.com

Ronilda Ciríaco disse...

Sou professora e nunca obriguei alunos ( de quaisquer religiões ) a participarem das comemorações de festas juninas. O tema é sempre discutido levando-se em conta o aspecto cultural da festa. Senti-me ofendida pois a crítica aos professores foi generalizada, fazendo parecer que todo professor obriga aluno a fazer o que ele "inocentemente" não quer. Aconselho você a conhecer melhor o trabalho dos professores e nunca, nunca mesmo, generalizar.

Anônimo disse...

Vim de família catolica e esoírita.Infelizmente a muita coisa em comum nas duas,o que muitos por não conhecerem acham ignorãncia.Mas ,nossas crianças são dedicadas a jesus e é bom que cresçam separadas de algumas coisas que aparentam inocencia.Que Deus desperte o interesse E sabedoria para trabalharmos com elas...DEUS abençoe a irmã,eu sei que é árdua a batalha,mas somos mais que vencedores em Cristo!!!1Abrss

Anônimo disse...

Deus abencoe pela mensagem tao vverdadeira, que deus continui usando sua vida para transmitir a mesma

Anônimo disse...

a biblia dis ke não devemos comer comida sagrificada a idolos.pois idolo representa demonio,essas tres imagens são imagens romanas, catolica. e nessas festa, tenhe tudo ki é dos idolos sem conta com a bebedeira, prostituição, e drogas, será k isso é de Deus, na verdade tudo isso foi criado com um só objétivo, beber, dançar, e se prostituir. eu sou contra e não participo.se eu gosto de comer alguma coisa k tenha milho. eu como em outra epoca!!!!! esta de parabem todos k pença como eu abraços em todos

Anônimo disse...

Eu agradeço a Deus por terem tido essa iniciativa de pesquisarem na Biblia passagens que nos tras a tona o que esta acontecendo hoje em dia.... Essa explicação sobre festa junina é a mais pura verdade sou coordenadora infantiu no MT e essas festas são seguidas aa risca e tenho dificuldade de transmitir para as nossas crianças, mas o nosso pastor nos abriu as portas e estaremos realizado a festa da fogueira santa, para mostrarmos para as nossas crianças que não podem participar dos manjares do mundo que o nosso povo tambem sabe festejar e iremos fazer isso para toda a honra e gloria ser do Senhor Jesus.temos vários ritmos para dançarmos a Aline Barros (cantora) tem vários hinos legais para ensinarmos e a festa vai ser uma benção!!! Continuem ensinado assim ...Coragem!!

Voz do Verbo disse...

escrevi sobre o assunto em meu blog:http://igrejaverbovivo.blogspot.com/
se quiser dar uma espiadinha

valeu!!!

coisa de criança disse...

gostei muitos dos comentarios e minha intensao era essa mesma.

analise-se o homem a si mesmo e escolha a quem servir.

ao publicar a materia a intensao é essa mesmo, fazer vc pensar e escolher a quem servir.


eu faço a minha parte e ja me decidi

jeova ou baal? sai de cima do muro
escolhe hj

Rose disse...

Boa noite!
Há vários versículos que nos revelam o quanto o mundo esfriaria no relacionamento com Deus nos últimos tempos! Excelente tema abordado, pois muitos estão trazendo costumes mundanos para os templos. A base que temos como cristãos, não é de faculdade secular ou coisa parecida: é Bíblia, nosso fundamento. " Todas as coisas me são lícitas, mas nem tudo convém fazer", "há coisas que aos nossos olhos parecem ser bom, mas ao final dão em caminho de morte". Devemos pedir a Deus mais discernimento, para sabermos escolher como viver uma vida de mais santidade. Devemos, ao máximo, evitar nos parecer com o mundo; as pessoas precisam olhar pra nós e percebermos algo diferente............Precisamos ler mais Bíblia para vermos as coisas mais pelo lado espiritual, ou seja, as influências que podem trazer em nossa vida.

Simone Nunes disse...

Sou lider do grupo missionario de crianças da minha igreja e procurando brincadeiras encontrei esse artigo que para mim foi muito bem escrito, mas gostaria de falar a um anonimo que mandou a pessoa que escreveu esse artigo, "estudar mais a bíblia", que seundo ele ela ficaria mais informada, gostaria de falar a esse anonimo que anos de estudo não trazem sabedoria e sim conhecimento, portanto uma pessoa pode ser sabia sem estudar, estudar a bíblia durante oito anos não faz da pessoa um servo de Deus, apenas faz com que ela conheça o que está escrito na b´blia, mas o saber vem do Senhor e a revelação da palavra provem do Espirito Santo e só ele nos traz sabedoria para flar das coisas de Deus, porque tudo provem dele, Deus não fala em nenhum momento na Bíblia que devemos estudar cinco ou oito anos para saber evangelizar, ele fala quie devemos pedir ao Espirito Santo para abrir nossas mentes e nos mostrar o que Deus quer nos dizer, o que significa que qualquer um pode ser pastor, que seria guiar as pessoas ao caminho do Senhor, se vc tivesse conhecimento atraves do Espirito Santo, ou mesmo a curiosidade de estudar geografia, veria que o mar vermelho em epoca de maré baixa não seca, portanto as pessoas não poderiam passar por eleandando,se vc se acha tão estudado, volte a estutar, mas dessa vez peça ao Espirito Santo para orienta-lo e abrir sua mente para as coisas de Deus, entrar em um blog de uma pessoa evangelica ler um artigo e ser grosseiro com a pessoa porque tem opinião diferente da sua, demonstra que no minimo vc tem que ter aular de boa educação. Quanto a festa Junina, Deus tem resposta para todas as questões, é só perguntar para Ele, e respeitar sobre tudo a opinião do outro, não tem nome de igreja na Bíblia, Jesus disse "QUE DEVEMOS VIVER EM COMUNHÃO RESPEITANDO UNS AOS OUTROS" A Paz do Senhor a todos

Unknown disse...

Na minha opinião o que está faltando por parte de alguns pedagogos é a falta de respeito à opinião dos evangélicos de serem contra as festas juninas. Ninguém é obrigado a aceitar a opinião dos outros.Para nós evangélicos essas festas são festas idólatras e não convém que nossas crianças participem. Temos o nosso direito de sermos contrários como vcs têm o direito de ser a favor.

daria santos disse...

Na minha opinião o que está faltando por parte de alguns pedagogos é a falta de respeito à opinião dos evangélicos de serem contra as festas juninas. Ninguém é obrigado a aceitar a opinião dos outros.Para nós evangélicos essas festas são festas idólatras e não convém que nossas crianças participem. Temos o nosso direito de sermos contrários como vcs têm o direito de ser a favor.

TIA ANA disse...

Olá, qualquer dúvida leia êxodo 20:3, a bíblia é para todos, a própria constituição foi assinada sobre a palavra de Deus, em um tribunal, é necessário que seja colocado a mão sobre a bíblia e se faça um juramento de falar a verdade, então, independente de religião, a palavra de Deus é uma só, e condena a idolatria, nenhuma escola pode obrigar os alunos a participarem destas festas e muito menos lhes lesar em alguma nota, sendo que não é lícito perante a lei.
Então vale o livre arbítrio, respeito as pessoas e suas opiniões, mas sigo a palavra do Senhor, Deus continue abençoando esse blog.